19 junho 2008

Guarda Externo / Guarda Interno

Nos Ritos de York e de Emulação, a privacidade da sessão de uma Loja Maçónica é assegurada por um Guarda Externo, isto é, um Oficial da Loja que, armado de uma espada, guarda, pelo lado de fora, a porta do local onde se processa a reunião. Em inglês, este Oficial é denominado Tyler. Daí a designação de Telhador que também em português foi atribuída a este ofício, em evidente corruptela da designação inglesa.

O Guarda Externo é o Oficial que deve aguardar a chegada do Venerável Mestre ao local onde vai decorrer a reunião da Loja e imediatamente iniciar as suas funções, só franqueando a entrada no local a quem se faça por ele reconhecer como maçon, e como maçon do grau (ou superior) em que a Loja vai nesse dia trabalhar. Esse reconhecimento é feito através dos sinais, toques e palavras passes adequados à circunstância. Designa-se esta actividade de efectuar o reconhecimento de um maçon, em ordem a franquear-lhe (ou recusar-lhe) a entrada no local onde vai reunir ou está reunida a Loja como o acto de telhar.

Esta designação, como disse, advém da corruptela da palavra inglesa tyler, mas acabou por, através de associação se confundir com outro termo maçónico. Telhar e telhador facilmente se associam a telha, material utilizado para cobertura de edifícios. Se uma reunião maçónica está telhada, então está coberta. Daí que facilmente se concluísse que, se uma reunião maçónica está coberta, isso equivale a dizer que está a coberto (da indiscrição dos profanos).

Esta associação, por sua vez, originou uma outra designação do Guarda Externo, ou Telhador: a de Cobridor, o Oficial que mantém a Loja a coberto. Esta designação, até pela susceptibilidade de confusão com um mais vernáculo significado da palavra cobridor (basta recordar que, nas pecuárias de criação de gado vacum costuma existir um touro cobridor...), determinou que esta última designação caísse em desuso. A Maçonaria preserva a Tradição. mas não exageremos...

No Rito Escocês Antigo e Aceite, a função de guardar a privacidade da Loja é assegurada por um Guarda Interno, ou seja, o Oficial que assegura esse ofício, não se mantém, como nos Ritos de York e Emulação, do lado de fora da porta do local onde decorre a reunião, mas do lado de dentro, possibilitando-se-lhe, assim, que participe plenamente na reunião.

É errado (embora um erro a que tenho assistido com alguma frequência) denominar o Guarda Interno por Telhador, porque, ao contrário do Guarda Externo nos Ritos de York e de Emulação, não compete ao Guarda Interno, no Rito Escocês Antigo e Aceite, telhar, isto é, testar a condição e o grau de quem se apresenta como maçon, quem chega. No REAA, essa função é assegurada pelo Experto e também, no início da sessão, pelos Vigilantes, através de uma acção ritualmente prevista.

A razão porque a função de assegurar a privacidade da Loja é exercida, nos ritos de York e de Emulação, por um Guarda Externo, enquanto no REAA tal é efectuado por um Guarda Interno, radica em que, naqueles ritos, ao contrário deste, não são admitidas armas no interior do local onde decorre a reunião da Loja. É levado, naqueles ritos, ao limite da observância literal o princípio de que os maçons devem deixar os seus metais à porta do Templo. Este princípio (que tem simbolicamente um mais amplo significado - um dia escreverei sobre isso), literalmente observado, impede que o metal da espada seja admitido no interior da sala onde decorre a reunião da Loja. No REAA, um rito que foi, desde o seu início, adoptado por Lojas militares e Lojas, que o não sendo, acolhiam militares, este princípio não é tão literalmente observado e, não só são admitidas espadas em Loja, como o uso de espada faz parte do equipamento de alguns Oficiais de Loja e é requerido, em algumas circunstâncias, a todos os Obreiros presentes.

Não se faça, porém, qualquer confusão: o Rito Escocês Antigo e Aceite é um rito de Paz. E a admissão de armas no local onde decorre a reunião da Loja não o contradiz, antes o acentua: tem-se arma, mas nunca se usa contra um Irmão, e muito menos como reforço de qualquer argumento. A verdadeira Paz não resulta de não dispor de armas; advém de as ter, mas não as usar. No Rito Escocês Antigo e Aceite o uso de espadas é meramente cerimonial. E, para que não haja acidentes, que, nos dias de hoje já não se fazem espadachins como antigamente, por via das dúvidas as espadas utilizadas são rombas, isto é, não possuem lâminas afiadas...

Nos Ritos de York e de Emulação, o ofício de Guarda Externo é considerado de alguma importância e muita responsabilidade, como facilmente se deduz da tarefa de verificação das credenciais de quem se apresenta para entrar em Loja.

No Rito Escocês Antigo e Aceite, a sua responsabilidade é manifestamente menor, quase se resumindo, na prática, ao exercício de funções de "Oficial Porteiro". É, na ordem hierárquica dos Ofícios, colocado em último lugar. Por isso mesmo, o seu titular é sempre um maçon experiente. Leram bem. E eu não me enganei na formulação da frase. Para não haver dúvidas, repito: por isso mesmo, o seu titular é sempre um maçon experiente. Passo a explicar.

Porque é o ofício considerado com menos dificuldade, com menor execução ritual, colocado em último lugar na hierarquia dos ofícios de Loja, no Rito Escocês Antigo e Aceite, o exercício do ofício de Guarda Interno é considerado uma prova de humildade. é, assim, prioritariamente, reservado, ao maçon que, dois anos antes, exerceu o ofício máximo na Loja, o de Venerável Mestre, e que no ano anterior, exerceu a função de Ex-Venerável, principal conselheiro do Venerável Mestre seu sucessor. Após ter exercido o principal ofício na Loja, ter manuseado os símbolos do Poder de uma Loja, o malhete de Venerável e a Espada Flamejante, após seguidamente ter aconselhado quem lhe sucede nesse mais importante ofício (e ser, assim, simbolicamente, o Poder por detrás do Poder...), o maçon vai exercer o mais humilde ofício na Loja, o de Guarda Interno. Demonstra assim, e aprende dessa forma, que o maçon deve exercer todas as funções, da mais importante à mais humilde, com igual interesse e empenhamento. Mostra assim que mereceu exercer o mais importante ofício em Loja e com ele aprendeu que tão necessário é o mais humilde dos ofícios como o mais importante deles e que, portanto, exerce este com a mesma naturalidade com que exerceu o outro. E, assim, com o exercício do mais humilde ofício, o maçon passa à honrosa categoria de Antigo Venerável. Findo ele, retomará, em princípio, o seu lugar nas Colunas da Loja, onde se manterá à disposição de seus Irmãos.

Rui Bandeira

10 comentários:

NuNo_R disse...

Boas...

Agradeço ao José o facto de ter dissipado algumas dúvidas que tinha quanto a estes "cargos" da Loja ( que em tempos referi).

Mas abordando outro assunto que aqui ( e outras vezes foi referido), se em Loja, pelo menos as que ritualizam o Rito de Emulação ou de York, é "proibida" a entrada de metais, como passará então o "Tronco de Beneficiência" esntre os Irmãos?
Não passa em sessão de Loja, ou neste caso à uma dispensa simbólica ao chamado "vil metal"?


abr...prof...

Simple disse...

Sobre este facto - de o Ex-Venerável passar a Guarda Interno - li um interessante artigo em que um antigo VM dizia ter sentido a necessidade, após o período frenético no Oriente, de um período de repouso, e que tal sentir era frequente em quem passava por idênticas circunstâncias.

Deste modo, ser Tyler (no caso descrito) era uma garantia simbólica de gozo de um merecido "descanso do guerreiro", evitando - por já ter uma atribuída - que lhe pudesse ser designada outra função mais trabalhosa.

Imagino que cada um sentirá esse momento e essa passagem de forma diversa mas, independentemente do simbolismo subjacente, pareceu-me esta perspectiva muito prática e de muito bom senso...

Um abraço,
Simple

NuNo_R disse...

O Rui que me desculpe, pois li o post de forma entusiasta e não vi quem foi o "postador" e como foi num texto do José que referi as minhas dúvidas, fiz alguma confusão.
Mas agradeço o texto. :)

abr...prof...

Jose Ruah disse...

Uma achega.

O Guarda Externo no rito de York / Emulação, fica no exteriro do Templo apenas durante a abertura ritual dos trabalhos, entrando a seguir e participando da sessão.

Todavia se for necessário ( chegada de um retardatario) sai do templo sem para isso pedir autorizaçao cumpre a sua função ritual de verificar quem vem e anunciar ao guarda interno quem vem, e depois de processada a entrada retoma o seu lugar no interior do Templo.

Rui Bandeira disse...

@ nuno_r:

E quem disse que são colocados metais no Tronco de Beneficência? Pode-se colocar só papel...

Brinco, obviamente...

Mas, respondendo directamente à questão:

Conforme de passagem menciono no texto, o significado simbólico da expressão "deixar os metais à porta do Templo" não tem a literalidade que eu utilizei no texto. Um dia destes (o que é o mesmo que escrever, quando calhar, quando me der na bolha, quando estiver para aí virado), hei-de escrever alguma coisa sobre isso.

Rui Bandeira disse...

@ simple:

Por acaso, não concordo muito que seja de particular bom senso a posição que descreve... Parece-me mais uma posição que evita a desejada humildade e que não atende a uma determinada lição que todos os Mestres Instalados devem interiorizar...

Mas iso, provavelmente, sou eu hoje a estar um bocado macambúzio... Que direito tenho eu de julgar as motivações alheias?

NuNo_R disse...

Boas...
Obrigado pela resposta e cá fico a aguardar pela tal "bolha"... ;)

abr...prof... bfds

Simple disse...

@Rui: Depois do seu comentário fui procurar os textos que tinha lido, para os reler. Ao fim de mais de duas horas de buscas no Google (se eu fosse mais arrumado tê-lo-ia guardado nos bookmarks...) re-descobri um dos artigos que me levou à (errada, segundo o Rui) conclusão que indiquei. Este não faz qualquer alusão ao Tyler, e não encontro o texto que a fazia...

Suponho - ao relê-lo agora depois de ter relido o texto daqui do Blog - que a tal "lição de humildade" tenha que ver com o desprendimento de passar o Ofício ao que se segue sem pretender manter o poder; contrariar aquele sentimento que é descrito num dos comentários do texto referido acima como "When you are finished though you still feel like you should be running the lodge. It's odd." Será isso?

Conjecturar e tentar ligar factos dispersos é uma das formas de aprender - mas que nem sempre corre bem! Possamos ter sempre quem nos corrija quando não vamos por bom caminho... Obrigado!

Um abraço,
Simple

GERALDO FARIA disse...

o guarda externo no rito de york,quando vai falar,faz o sinal penal,ou não ?

Rui Bandeira disse...

@ geraldo faria:

Na Loja Mestre Affonso Domingues trabalha-se no Rito Escocês Antigo e Aceite, pelo que não sou o mais indicado para informar sobre o Rito de York.
No entanto, arrisco dizer que usará da palavra da mesma forma que os demais obreiros. E mais não digo, que não estou a coberto...
Um abraço